• Seguro pensado para carros com mais de 4 anos

    Seguro pensado para carros com mais de 4 anos

    A Fidelidade lançou um seguro automóvel pensado para automóveis com mais de quatro anos e até 15 anos. A novidade deste “Plano Autoestima” está no facto de permitir que viaturas que, habitualmente, ficam impossibilitadas de contratar a cobertura de danos próprios pelo facto de já não serem novas, poderem usufruir de uma apólice destas. Segundo a Fidelidade, neste novo produto, existe uma franquia de 250 euros, ficando o carro protegido com um capital seguro correspondente a 70% do valor. O capital das coberturas de danos no veículo corresponderá a 70% do valor do veículo seguro, apurado com base em tabelas de cotação de mercado. Tem franquia de 250€ nas coberturas Choque, Colisão ou Capotamento e Riscos Sociais e Políticos. Em caso de acidente, a rede exclusiva de reparação Autoestima coloca à disposição dos clientes Fidelidade profissionais qualificados para efectuar as reparações necessárias. Ao todo, são 122 oficinas Autoestima, no continente […]

     
  • Seguro Danos Próprios

    Seguro Danos Próprios

    Além do seguro de responsabilidade civil, pode ainda ser contratado o chamado Seguro danos próprios (ou contra todos os riscos), que abrange os prejuízos sofridos pelo veículo seguro ainda que o condutor seja responsável pelo acidente. Este seguro danos próprios pode incluir várias coberturas, nomeadamente: Choque, Raio e Explosão, Colisão e Capotamento, Quebra Isolada de Vidros, Furto e Roubo, Actos de Vandalismo, Incêndio, Fenómenos da Natureza e Privação de Uso de acordo com as opções disponibilizadas pelas seguradoras. Para a actualização do valor do seguro danos próprios, a partir de 01 de Março de 1998, o valor seguro dos veículos para efeitos de indemnização em caso de perda total, deverá ser alterado automaticamente pela empresa de seguros, de acordo com uma tabela criada para o efeito, a qual inclui necessariamente como referências o valor de aquisição em novo ou a idade da viatura. Em alternativa, podem as partes estipular, por […]

     
  • Seguradoras não cobrirão a maior parte dos prejuízo da Madeira

    As seguradoras não cobrirão a maior fatia dos prejuízos resultantes do mau tempo na Madeira, uma vez que a taxa de cobertura nos seguros automóveis para danos próprios é baixa, tal como nos seguros multiriscos, ligados às empresas e à habitação. Questionada pela agência Lusa sobre a possibilidade das seguradoras cobrirem a maior parte dos prejuízos, fonte oficial das seguradoras do Grupo Caixa Geral de Depósitos (CGD) sublinhou que “no caso dos seguros automóveis, não, porque a taxa de danos próprios com a cobertura de Fenómenos da Natureza é baixa”. No que toca aos seguros multiriscos, a mesma fonte disse que “também a taxa de parque seguro é baixa ou, noutros casos, a matéria segura desajustada ao efectivo património”, especificando que “em termos de estradas (pontes e túneis) e obras de arte, normalmente, apenas estas últimas são objecto de seguro”.

     
 

Recomendado

 
 

Comentários recentes